(54) 3221.3658
COMBO VIA LETTERA + SEMPRELER - Uruguai, Lusiadas, Álvarez de Azevedo, Raimundo Correia, O Cortiço e A Cidade e as Serras

COMBO VIA LETTERA + SEMPRELER - Uruguai, Lusiadas, Álvarez de Azevedo, Raimundo Correia, O Cortiço e A Cidade e as Serras

Autor: Luis de Camões, Álvares de Azevedo, Raimundo Correia, Basílio da Gama e Aluísio Azevedo

Editora: VIA LETTERA

Formato: 18 x 12 cm

Peso: 0g

Disponível: Sim

Promoção: De R$143,00 por R$120,00 - frete grátis!

A Cidade e as Serras - Jacinto de Tormes, ao buscar a felicidade, empreendeu uma viagem que o reencontrou consigo mesmo e com o seu país. Tal viagem, que concomitantemente é exterior e interior, abarca a pátria portuguesa e se reveste de uma significação particular, pode ser lida como um processo de autoconhecimento: um novo Portugal e um novo português se percebem nas serras que querem utilizam da cidade o necessário para se civilizarem sem se corromperem. Pode-se considerar A Cidade e as Serras um romance no qual se destaca a categoria espaço, na medida em que os ambientes são fundamentais para a compreensão da história, destacando-se os contrastes por meio dos quais se contrapõem. Assim, a amplidão da quinta de Tormes contrasta com a estreiteza do universo tecnológico do 202, o que aponta para a oposição entre o espaço civilizado e o espaço natural, presente em todo o romance.

O Cortiço - Marco da literatura realista-naturalista brasileira. Uma história envolvente e sombria de uma habitação coletiva no Rio de Janeiro do Segundo Império que tem como tema a ambição e a exploração do homem pelo próprio homem. De um lado, João Romão, que aspira à riqueza, e Miranda, já rico, que aspira à nobreza. Do outro lado, a “gentalha”, caracterizada como um conjunto de animais, movidos pelo instinto e pela fome. Todas as existências se entrelaçam e repercutem umas nas outras. O Cortiço é o núcleo gerador de tudo e foi feito à imagem de seu proprietário, cresce, se desenvolve e se transforma com João Romão.
Os Lusíadas - É considerada a epopéia portuguesa por excelência.
Provavelmente concluída em 1556, foi publicada pela primeira vez em 1572 no período literário do  lassicismo, três anos após o regresso do autor do Oriente. A obra é composta de dez cantos, somando 1.102 estrofes, todas oitavas de decassílabos heróicos, obedecendo ao esquema rimático “abababcc” (rimas cruzadas, nos seis primeiros versos, e emparelhada, nos dois últimos). A ação central do poema é a descoberta do caminho marítimo para a Índia por Vasco da Gama, à volta da qual se vão descrevendo outros episódios da história de Portugal,glorificando o povo português.
O Uruguai - Poema épico que conta de forma romanceada a história da disputa entre jesuítas, índios (liderados por Sepé Tiaraju) e europeus (espanhóis e portugueses) nos Sete Povos das Missões, no Rio Grande do Sul. O poema épico trata da expedição mista de portugueses e espanhóis contra as missões jesuíticas do Rio Grande, para executar as cláusulas do tratado de Madrid, em 1756. Rejeitando o belicismo fácil com que os nobres se serviam dos camponeses, Basílio é o homem do fim do século XVIII, cujos valores pré-liberais prenunciam a Revolução Francesa e se manteriam com o idealismo romântico.
Álvares de Azevedo
Melhores Poemas - O maior representante brasileiro do chamado Mal-do-século. Por volta de 1850 começa a surgir nos meios universitários de SP e RJ grupos de poetas, responsáveis pela segunda geração da poesia romântica no Brasil, conhecida como Ultra-Romantismo. Inspirados principalmente em Lord Byron e Alfred de Musset, esses jovens egocêntricos e desinteressados da vida político-social vivem sem perspectivas, entre os estudos, a libertinagem, e as horas de ócio, sempre à espera da morte (ou correndo em direção a ela).
A revolta contra os valores vigentes faz com que a produção literária dessa época crie uma onda de pessimismo doentio diante do mundo.
Raimundo Correia
Melhores Poemas - Este livro compila o melhor da vasta e inestimável obra de Raimundo Correia, que juntamente com Olavo Bilac e Alberto de Oliveira, forma a chamada “tríade parnasiana”. Depois da revolução romântica que impôs novos parâmetros e valores artísticos, surgiu no Brasil, na década de 1880 um grupo de poetas que desejava restaurar a poesia clássica, desprezada pelos românticos. Diferentemente do Realismo e do Naturalismo, na prosa, o Parnasianismo representou
na poesia uma reorientação em direção ao princípio do belo na arte, à busca do equilíbrio e da perfeição moral.

R$ 120,00

Veja também

  • COMBO VIA LETTERA + SEMPRELER - Uruguai, Lusiadas, Álvarez de Azevedo, Raimundo Correia, O Cortiço e A Cidade e as Serras
    Luis de Camões, Álvares de Azevedo, Raimundo Correia, Basílio da Gama e Aluísio Azevedo
    R$ 120,00